Personal Reguladora de Sinistros DPVAT


Documentos necessários para indenização por Invalidez Permanente Total ou Parcial


  • Boletim de Ocorrência do Acidente

    Original ou cópia autenticada do boletim de ocorrência policial do acidente, que descreva como ocorreu o acidente e identifique o veículo (nº da placa e proprietário), que transportava ou atropelou a vítima, cujo nome deverá constar corretamente na certidão policial. No caso de o acidente envolver veículo não identificado, a certidão policial deverá referir expressamente que o veículo não foi identificado.

  • DUT do Veículo

    A cópia do DUT do veículo que lesionou a vítima só será necessária, caso o beneficiário da indenização seja o proprietário do veículo;

  • Documentos Pessoais da Vítima

    Cópia do R.G e CPF da vítima;

    • Quando a vítima tiver de 0 a 17 anos, apresentar cópia da sua certidão de nascimento, bem como, do RG e CPF. do responsável (pai ou mãe);
    • Se a vítima não possuir o R.G., poderá ser apresentada cópia da sua certidão de nascimento ou de casamento ou carteira de trabalho ou carteira nacional de habilitação;
    • Se a vítima for maior de 18 anos e não possuir o CPF, deverá apresentar extrato da Receita Federal informando a inexistência de CPF em nome da vítima;
  • Comprovante de Residência da Vítima

    Cópia de um comprovante de residência em nome da vítima (conta de luz, água, gás ou telefone).

    • Se a vítima não tiver comprovante de residência em seu nome, poderá ser apresentada declaração simples de residência feita pela vítima, informando todos os dados do endereço (rua, nº, bairro, cep, cidade, estado), devendo a assinatura da vítima deve ser igual à de seu RG ou CPF
  • Laudo do I.M.L.

    Laudo de Exame de Corpo de Delito, expedido pelo Instituto Médico Legal de qualquer cidade do estado do acidente, qualificando a extensão das lesões físicas ou psíquicas da vítima, atestando o seu estado de invalidez permanente parcial ou total e definitiva;

    • Caso não haja posto do Instituto Médico Legal na cidade em que ocorreu o acidente, deverá ser apresentada declaração emitida pela Delegacia de Polícia Civil informando a inexistência de posto do IML na cidade.
    • Caso a vítima resida em estado diferente daquele em que ocorreu o acidente, poderá ser apresentado Laudo de Exame de Corpo de Delito da cidade em que reside.
  • Procuração

    Se a vítima optar em nomear um procurador para representá-la, a procuração (modelo disponível em nosso site na seção "Impressos") deverá ser específica para o pleito do seguro DPVAT, informando RG, CPF e endereço tanto do outorgante quanto do outorgado, dando poderes inclusive para o procurador assinar o formulário de autorização de pagamento.
    A procuração deverá estar com firma reconhecida por autenticidade ou verdadeira, uma vez que a FENASEG (www.dpvatseguro.com.br), administradora do seguro de DPVAT, não aceita procurações com firma reconhecida por semelhança.

  • Documentos Pessoais do Procurador

    Havendo procurador, deverão ser encaminhados cópias do seu RG, CPF, bem como, um comprovante de residência em nome do mesmo, adotando os mesmos critérios exigidos para apresentação do comprovante de residência da vítima, descritos acima.

  • Formulário de Autorização de Pagamento/Crédito de Indenização de Sinistro DPVAT

    Formulário “Autorização de Pagamento/Crédito de Indenização de Sinistro DPVAT”, em original, devidamente preenchido com os dados pessoais da vítima e assinado pela mesma, podendo o formulário ser assinado pelo procurador, desde que devidamente autorizado no instrumento de procuração.

    Alertamos que nenhum sobrenome deve ser abreviado, a assinatura deve ser igual à do RG ou CPF e o nome da vítima deve estar preenchido corretamente em seu devido campo, sendo que os campos “Nº do Sinistro” e “Seguradora/Reguladora” não deverão ser preenchidos, não devendo haver rasuras ou emendas em todo o formulário, que poderá ser obtido no nosso site na seção "Impressos". Caso seja escolhida a opção de pagamento do item 1 ou do item 2, constantes do mencionado formulário, alertamos que não será possível o depósito em conta poupança, a não ser que sejam contas de poupança do Banco do Brasil, Banco Itaú ou Caixa Econômica Federal. Também não são permitidos créditos em contas conjuntas, nem em contas de titularidade de terceiros/procurador, sendo possível somente o depósito em conta corrente individual em nome da vítima;

Veja as páginas: